Magazine do Xeque-Mate

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Quanto ao apoio de Dado Dolabella ao Aécio... Diga-me com quem anda, e direi quem tu és!


Xeque - Marcelo Bancalero
Fica assim... 

#MelhorcomDilma13

1
Hora do Povo

Governador de Minas agride namorada em festa de luxo
A moça recebeu a pancada, caiu, revidou e depois cada um foi para um lado, dizem testemunhas
Uma das testemunhas oculares da agressão perpetrada pelo governador Aécio Neves no domingo, 25 de outubro, em meio a uma festa promovida por um estilista da Calvin Klein no Hotel Fasano, do Rio de Janeiro, descreveu a cena da seguinte forma:
“Visivelmente alterado, ele deu um tapa na moça que o acompanhava – namorada dele há algum tempo. Ela caiu no chão, levantou e revidou a agressão. A plateia era grande e alguns chegaram a separar o casal para apartar a briga. O clima, claro, ficou muito pesado”.
Imagine o leitor que essa testemunha ocular é a colunista social Joyce Pascowitch, que, de repente, sem que desejasse tal metamorfose, passou de cronista de grã-finos a repórter policial. A nota de Joyce Pascowitch é intitulada “Nelson Rodrigues”, em referência ao teatrólogo que pregava que “mulher gosta de apanhar”.
A colunista social não revelou o nome do agressor. Disse que era “um dos convidados mais importantes e famosos da festa que o estilista Francisco Costa, da Calvin Klein, deu na piscina do hotel Fasano, no Rio, nesse domingo”. Embora, pelo encadeamento das notas sobre a festa, em seu blog, fosse mais ou menos claro quem era o sujeito.
“Aécio Neves, o governador tucano de Minas Gerais, que luta para ter o jogo inaugural da Copa do Mundo de 2014, em Belo Horizonte, deu um empurrão e um tapa em sua acompanhante no domingo passado, numa festa da Calvin Klein, no Hotel Fasano, no Rio. Depois do incidente, segundo diversas testemunhas, cada um foi para um lado, diante do constrangimento geral”.
Depois de pregar que “a imprensa brasileira não pode repetir com nenhum candidato a candidato a presidência da República a cortina de silêncio que cercou Fernando Collor [e o Fernando Henrique?], embora seus hábitos fossem conhecidos”, Kfouri fez a seguinte anotação: “… o blog recebeu nota da assessoria de imprensa do governo mineiro desmentindo a informação e a considerando caluniosa. O blog a mantém inalterada”.
A agredida foi Leticia Weber, uma modelo de 24 anos. Não conhecemos a moça, mas, em que pese andar com um debilóide como Aécio, parece ser dotada de muitas virtudes. Bater em mulher já não dignifica a carreira do sujeito. Bater em certas mulheres, então, parece coisa de quem não gosta de mulher…
Foto da página de Francisca Maria Lima dos Santos no Facebook
Foto da página de Francisca Maria Lima dos Santos no Facebook
Não, leitor, não é isso que você pensou. A questão é que Serra, Aécio, Fernando Henrique, esse tipo de gente, não é capaz de amar ninguém. São todos uns narcisistas doentios. Byron disse uma vez que quem não ama a sua pátria, não ama coisa alguma. Com os tucanos da cúpula, o caminho é inverso: eles não amam a pátria porque não amam ninguém. Um, já presidente da República, tratava a mulher, nos papos com um proxeneta, como “megera”. Outro, governador do segundo ou terceiro Estado do país, senta a mão na namorada, a ponto dela cair no chão, no meio de uma festa, sem se importar com a seleta assistência ou sem conseguir se conter mesmo diante de tal público. Serra, o que passa álcool nas mãos depois de cumprimentar alguém do povo, até agora, que se saiba, não bateu na mulher. Apenas, segundo seu ex-amigo Flávio Bierrenbach, agora ministro aposentado do Superior Tribunal Militar, “Serra entrou pobre na Secretaria de Planejamento do Governo Montoro e saiu rico. Ele usa o poder de forma cruel, corrupta e prepotente. Poucos o conhecem. Engana muita gente. Prejudicou a muitos dos seus companheiros. Uma ambição sem limite. Uma sede de poder sem nenhum freio”.
Não por coincidência, são os mesmos que liquidaram o patrimônio brasileiro, devastaram a economia nacional e infelicitaram milhões de pessoas. Todos eles, aliás, sempre pregaram que sua vida pública é tão imaculada quanto sua vida privada, apesar de uma nada ter a ver com a outra. Caifás, o sumo sacerdote dos fariseus, era um São Francisco perto dessa espécie de gente.
O fato que hoje comentamos, certamente só teria a importância que leva a um boletim de ocorrência na delegacia, e a fazer o agressor sentar no banco dos réus, se o indigitado não fosse governador de Minas e pré-candidato a presidente do PSDB.
E se não fosse o abafamento completo do fato pela mídia, com as duas exceções que registramos – e apenas em seus blogs.
Obviamente, eles nunca vão ver Lula praticando um ato semelhante. Isso é negócio de janotas transviados, desses que abundam no PSDB. Mas, só para raciocinar, imaginemos que isso acontecesse com alguém do governo ou um apoiador do governo. Há alguma dúvida sobre o carnaval que ia ser aprontado ao redor do fato?
Não é uma surpresa que a mídia serrista também haja aderido ao abafamento. Eles sabem que o cachação de Aécio na namorada não é um problema só para Aécio. Afinal, ele está muito bem acolhido dentro do PSDB – não há nada em Aécio que destoe do conjunto da cúpula tucana. C.L.



http://andradetalis.wordpress.com/2014/10/14/aecio-em-mulher-nao-se-bate-nem-com-uma-flor/

A CONDENAÇÃO DE DADO DOLABELLA SE MOSTROU JUSTA E NECESSÁRIA.

Nem bem conseguiu o julgamento de sua apelação referente à sua recente condenação com base na Lei Maria da Penha (2 anos e 9 meses de prisão em regime aberto) por agressão a sua ex-namorada Luana Piovani, o ator Dado Dolabella já está envolvido em novo caso de agressão e maus tratos contra outra mulher. 

Trata-se da publicitária Viviane Sarahyba, que entrou com ação na 1ª. Vara da Família, alegando que sofre por 11 meses seguidos, agressões físicas, praticadas por Dado Dolabella com quem estava vivendo em residência no bairro do Itanhangá.

A justiça aceitou a representação, e através da juíza Maria Cristina Brito, determinou que Dado Dolabella saísse de casa levando apenas objetos pessoais e documentos, ressaltando ainda em seu despacho de sentença, que Dolabella “de forma costumeira se comporta agressivamente contra mulheres, sendo recentemente condenado”.

Pode ser que eu esteja enganado, mas, acredito que a situação do senhor Dado Dolabella se complicou, e caso ele não consiga apresentar defesa convincente, a sua pena pode aumentar em tempo e passar a um regime mais duro. Quem vive por aí batendo em mulher, precisa de punição, e, precisa também de tratamento, pois, tal conduta revela um desvio de caráter e personalidade que precisa ser cuidado sob a ótica da saúde mental.

License Creatve Crommons

Postagens populares

Arquivo do blog

SHARE THIS

Anuncios

Anuncios
Custo Benefício Garantido